Desvios Táticos-estratégicos para sobreviver à vida urbana

Escada é um objeto arquitetônico projetado para nos permitir subir e descer entre planos, certo? Para os artistas do Grupo Três em Cena de Goiânia, as escadas escadarias das cidades são mais que isso, elas se tornam o palco onde se faz dança.
Com um repertório de movimento advindo das danças urbanas, o corpo se funde ao espaço público através das escadas com deslizamentos, encaixes e um gestual específico para se movimentar com as escadas.

Sinopse

O espetáculo “Desvios tático-estratégicos de trajetórias usuais para sobreviver à vida urbana” é a mais recente criação do Grupo Três em Cena. A investigação para a criação foi baseada em estudos do antropólogo Michel de Certeau sobre o espaço urbano e o uso da técnica do breaking. Neste sentido, a forma do espaço público urbano é caracterizado pela organização cartesiana, focada na circulação de pessoas entre suas casas e seu ambiente de trabalho, ou entre eles e os locais construídos para o lazer do homem urbano, como: parques, bosques e praças.
Portanto, estão previstos lugares disponíveis em áreas urbanas para determinados fins, impondo padrões de ação corporal na vida comum.
O espetáculo tem como objetivo abordar o espaço público usando truques que
permitem refazer as formas de uso dos lugares, promovendo desvios. Portanto, as escadas arquitetonicamente concebidas para ser um lugar de deslocamento entre planaltos, uma vez desviados para uso de dança, torna-se uma área pitoresca, onde o corpo faz dela outros usos.
A prática de mudar o uso da escada no espaço urbano é a ação característica da peça "Desvios Urbanos". Na verdade, a proposta é não só "dialogar com a cidade"; antes disso, de práticas que buscam "fazer com" áreas urbanas.

Informações sobre o Grupo Três

O Grupo Três em Cena surgiu em 2014, através da parceria entre artistas que
desenvolviam criações e estudos coreográficos solos ou em parceria. A base
conceitual que fornece coesão ao grupo consiste no suporte técnico das danças urbanas e o interesse investigativo em possibilidades de criação para cena contemporânea. Ao mesmo tempo, o formato do grupo desafia a elaboração de trabalhos que lidam com o limite de pessoas em cena (três), ao mesmo tempo que potencializa a criação de obras com qualidade e cujo orçamento não inviabiliza sua circulação.