O que ainda guardo…

Um espetáculo intrinsicamente brasileiro, sobre a união entre formas de criação que atingem diferentemente os sentidos da plateia: a energia e fugacidade da dança da Quasar, que dirige os olhares e provoca interpretações; a tessitura da Bossa Nova, estilo musical impregnado da alma de nosso país; o brilho de peças de design exclusivo, criadas com o mesmo cuidado com que os antigos ourives faziam joias eternas. Este conjunto não poderia receber outro nome, já que trata-se de uma tríade formada por riquezas culturais de inestimável valor.

Quando a Vivara convidou a Quasar Cia de Dança para criar um espetáculo que fosse inspirado no estilo musical mais originalmente brasileiro, a Bossa Nova – que também é tema de sua nova coleção de joias -, a reação foi de inquietação e alegria. Ao completar 60 anos, estas canções, nascidas de encontros entre compositores da Zona Sul do Rio de Janeiro, tornaram-se admiráveis em todas as partes do mundo, e só isso já bastaria para serem desafiadoras a qualquer coreógrafo. Unindo-se a isto a memória emotiva que cada uma das letras e notas deste cancioneiro provoca, é tarefa vigorosa produzir movimentos que desabrochem em novos significados e sentidos.

Tendo tudo isto em mente, nasceu em nós a primordialiade de assumir esse desafio, principalmente por este ser o ano em que a Quasar completa três décadas de existência e de uma trajetória reconhecida nacional e internacionalmente. Um trabalho legitimamente brasileiro, que dialoga com grande parte das manifestações culturais de nosso tempo, incluindo a própria Bossa Nova.

Este é um trabalho que antes de ter sido inicado suscitou diversos questionamentos, principalmente sobre como a música move a dança da Quasar, e sobre como é possível traduzir uma obra musical tão própria em um espetáculo cênico instigante e hodierno. Em resumo, a busca foi continuamente por produzir um resultado final sensível, belo, fascinante, pleno em sua forma e em sua importância para o mundo das artes.

E o momento para esta emersão da Quasar não poderia ser mais apropriado. A preciosidade do espetáculo também está envolta em uma aura de ressurgimento, de ressignifcação, de rebrotagem, de um grupo que presencia momentos delicados de sua história, mas que também encontra na tarefa de produzir uma nova criação, um instante de frescor, de contemplação de novas possibilidades e novos encontros.

“O que ainda guardo…” não será um relato linear. A coreografia não será uma história ou uma ideia que se desenrolará no tempo da encenação. As relações criativas
entre músicas e movimentos se darão em vários níveis de harmonia ou confronto. As letras das canções de Bossa Nova foram pontos chave para que um tipo de movimento se arquitasse entre coreógrafo e intérpretes. Os temas abordados pelos compositores, muitos deles singelos e ligados a um cotidiano ingênuo e pueril, nesta trilha sonora são cantados como se fossem conversas entre amigos, e esta maneira coloquial de fazer poesia inspirou um tipo de movimentação que permeia toda obra. A partir daí o espetáculo foi se revelando como um diálogo provocativo e nada previsível, entre as canções e seus temas, e as coreografias que foram criadas e seus movimentos. O corpo se tornou, então, linguagem em si e expressão de algo maior.

O espetáculo ainda faz uma homenagem aos 30 anos da Quasar, resgatando imagens que retomam a essência da Companhia. Instantes de espetáculos que se tornaram preciosos e únicos em nossa trajetória, e que cintilam nesta nova criação, provocando uma espécie de reminiscência em nossos espectadores.

Guardo com carinho!
Guardo na memória!
Nas músicas…
Nas coisas da Quasar…
Guardo coisas preciosas para mim!
O QUE AINDA GUARDO… é o nome do espetáculo!

Henrique Rodovalho